Apagão de dados: “Sem o Censo, nós estaremos navegando no escuro”, diz pesquisadora

7

Corte de 96% no orçamento do levantamento decenal mostra que o governo federal não valoriza a pesquisa e o conhecimento

Com uma previsão de corte de 96% no orçamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o governo Bolsonaro está prestes a causar um apagão de dados no país.

O corte no orçamento causou a suspensão das provas para a contratação de 204 mil trabalhadores para a realização do Censo do IBGE, a mais importante pesquisa realizada no país.

A pesquisa do Censo é realizada, tradicionalmente, de dez em dez anos, e serve de base para o planejamento e a aplicação das políticas públicas e investimentos, tanto do governo quanto da iniciativa privada.

::Servidores reagem a corte: “O governo quer que o IBGE faça uma piada de Censo?”::

Quantas famílias passam fome no Brasil? Quem precisa de assistência médica e onde faltam mais escolas? O Censo teria as respostas e dariam aos pesquisadores, os melhores caminhos para traçar planos eficientes.

Diante da pandemia, quando mais de 300 mil pessoas já morreram, surgem ainda mais perguntas que vão precisar de respostas e planos emergenciais, é o que alerta em entrevista ao programa Bem Viver a arquiteta e urbanista Danielle Klintowitz, que coordenadora o Instituto Pólis:

“A gente tem que entender quem são essas pessoas. Quem são as pessoas que estão passando fome? Quem são as pessoas que foram mais atingidas pela pandemia? Onde elas moram? Em que condições elas moram? Qual é a raça que elas têm? E assim, entender por que foram elas, quais são os serviços que estavam disponíveis para elas, qual o nível de escolaridade… e só então, a gente vai entender qual é o foco das políticas públicas que a gente precisa fazer”.

Para Danielle, mais do que perder o Censo, o corte no orçamento significa ainda o cancelamento do próprio órgão, o IBGE. É um recado claro de que o governo não dá importância para a pesquisa. 

::Redução do Orçamento de 2021 obriga IBGE a suspender exame para agentes censitários::

“Quando a gente tem uma restrição do orçamento de mais de 90% previsto, isso significa um cancelamento do órgão. Claramente esse órgão está sendo cortado e o governo está dizendo para os brasileiros que a pesquisa censitária não tem importância”.

Confira entrevista completa a seguir. 

Brasil de Fato: Danielle, primeiramente, explica para a gente o que é o Censo?

Danielle Klintowitz: Oha, o Censo é a pesquisa mais importante que a gente tem no Brasil. É a pesquisa nacional que nos dá as informações sobre todos os brasileiros, todos os domicílios que têm no Brasil. Então, é a partir do Censo que a gente consegue saber qual é o nível de renda da população, qual o nível de educação da população, como a população está morando, entender qual é a raça da população, o gênero e a idade.

Então, são informações preciosas para o desenvolvimento de políticas públicas. É a partir do Censo que saem todas as pesquisas brasileiras e o planejamento das políticas públicas nacionais.

Além da garantia de renda temporária para mais de 200 mil trabalhadores que seriam contratados, de que forma a não realização do Censo pode impactar na vida dos cidadãos?

A não realização do Censo tem um impacto profundo na vida dos cidadãos. Apesar de muita gente nunca ter visto o Censo, nunca ter analisado o Censo, ele é responsável pelo desenho das políticas públicas que a gente tem no Brasil.

As políticas habitacionais, por exemplo, todas se baseiam nas informações censitárias para a gente entender como as pessoas no Brasil estão morando e quais são as necessidades habitacionais das famílias.

Da mesma forma, na educação a gente consegue, com um Censo, entender o nível de escolaridade da população, entender onde a gente está tendo problemas em relação à escolaridade. A gente consegue entender questões de gênero, de raça e avançar.

Os grandes institutos de pesquisa já estavam falando sobre isso, alertando do perigo de cortes no Censo e, agora, em 2021, corta-se praticamente todo o orçamento do IBGE. Isso é muito grave, porque a gente vai perder a historicidade do Censo, então a gente não vai conseguir mais conhecer e compreender as nossas variáveis e os nossos indicadores brasileiros de 10 em 10 anos.

Danielle, você avalia que não termos um Censo pode ser um agravante que reduz a capacidade de reação do país contra a pandemia?

Sim, é um momento muito importante em que a gente deveria ter um Censo, porque é um momento de retomada das políticas públicas, e precisamos, para isso, entender qual é a situação dos brasileiros.

A última informação que a gente tem sobre todo o Brasil e todos os brasileiros já tem 11 anos e não condiz mais com a realidade atual. Nos últimos dez anos, a gente teve um decréscimo de renda muito importante da população. E a gente tem visto dados muito graves. Nesta semana, por exemplo, foi anunciado que metade dos brasileiros está propensa a passar fome nos próximos meses.

A gente já tem mais de 300 mil pessoas mortas pela pandemia. Então a gente tem que entender quem são essas pessoas, quem são as pessoas que estão passando fome, quem são as pessoas que foram mais atingidas pela pandemia, onde elas moram, em que condições elas moram, qual é a raça que elas têm e entender por que foram elas. Quais são os serviços que estavam disponíveis para elas, qual o nível de escolaridade… 

Se não tivermos o Censo, nós estaremos navegando no escuro, sem saber o que está acontecendo verdadeiramente com o Brasil.

O IBGE alega que isso não foi um cancelamento, mas que planeja uma nova data para as provas, dependendo então do governo Bolsonaro, e em especial do Ministério da Economia. Mesmo que isso ocorra, a gente teria um tempo hábil para um novo planejamento, sem que a população sofre as consequências?

Estranho dizer que isso não foi o cancelamento. Quando a gente tem uma restrição do orçamento de mais de 90% previsto, isso significa um cancelamento do órgão. Claramente esse órgão está sendo cortado e o governo está dizendo para os brasileiros que a pesquisa censitária não tem importância.

Desde 2019, o Censo vem sofrendo ataques do governo, quando o Ministério da Economia propôs cortes a perguntas do Censo, sendo que o Ministério da Economia não tem expertise suficiente pra isso, pra entender quais são as variáveis importantes do Censo. 

Mesmo que o concurso seja retomado, nós teremos, sim, um impacto no calendário do Censo, porque as pessoas que vão participar, elas precisam ser contratadas muito antes para que sejam capacitadas. É uma pesquisa muito específica e demanda muita capacitação para os novos funcionários.

Então, seria possível ainda termos um Censo, se o governo federal nos der o orçamento para que o IBGE possa fazer esse planejamento. Mas, certamente o Censo não será mais realizado em 2021. Mesmo assim, seria fundamental que isso acontecesse, mesmo que fosse em 2022.

FONTE: BRASIL DE FATO
FOTO: Leonardo Rodrigues / Valor