Lugar de fala: Mulheres, negros e trans ocupam as Câmaras Municipais

41

A balança ainda pende e persiste na desigualdade, mas o primeiro turno das eleições mostrou avanço na representatividade de negros nas prefeituras e câmaras municipais. As urnas mostram que 32% dos prefeitos eleitos no primeiro turno se declararam negros.

A balança ainda pende e persiste na desigualdade, mas o primeiro turno das eleições mostrou avanço na representatividade de negros nas prefeituras e câmaras municipais.

As urnas mostram que 32% dos prefeitos eleitos no primeiro turno se declararam negros. Em 2016, foram 29% do todo. Este ano os partidos tiveram que responder à legislação que determina distribuição proporcional de verbas públicas de campanha entre candidatos negros, pardos e brancos.

A representatividade de mulheres se manteve na média de 13%, ainda muito distante do ideal e justo.

Nas capitais cinco mulheres ainda vão disputar a prefeitura no segundo turno: ; Cristiane Lopes (PP), em Porto Velho, Danielle Garcia (Cidadania), em Aracaju, Marília Arraes (PT), em Recife; Manuela D’Ávila (PCdoB), em Porto Alegre e Socorro Neri (PSB), em Rio Branco. Cinthia Ribeiro foi reeleita prefeita de Palmas (TO) no primeiro turno com 36,22% dos votos.
De acordo com a Justiça Eleitoral, no pleito deste ano as mulheres representaram 33,6% do total de 557.389 candidaturas, superando o maior índice das três últimas eleições, de 32%.

O Fórum Café recebe hoje Linda Brasil, primeira vereadora trans eleita em Aracajú (SE) e Carol Dartora, primeira mulher negra eleita para Câmara Municipal de Curitiba (PR).

E o professor de Relações Internacionais da Unipampa, Renatho Costa traz informações no Fórum Café sobre a guerra declarada pelo reino do Marrocos contra o Saara Ocidental, que na última sexta-feira rompeu cessar fogo estabelecido pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1991.

FONTE: REVISTA FÓRUM
FOTO: DIVULGAÇÃO