Desigualdade socioeconômica pesa mais que idade nas mortes por Covid-19, diz estudo

55

Levantamento foi realizado por pesquisadores brasileiros e publicado na revista científica Lancet

As desigualdades sociais e econômicas entre as regiões do Brasil foram mais decisivas na disseminação do coronavírus e no número de mortes do que a faixa etária das pessoas infectadas e pela presença de doenças crônicas, como se deu em diversos países da Europa, isso segundo estudo feito por pesquisadores brasileiros do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e que foi publicado na revista Lancet, publicação acadêmica de grande destaque internacional.

Ao comparar os índices de vulnerabilidade socioeconômica dos Estados aos registros de casos e mortes por covid, o estudo mostra que o impacto foi maior nas regiões mais pobres, com menos recursos médicos, como o Norte e o Nordeste.

Apesar dos primeiros casos de Covid-19 terem sido registrados em São Paulo e no Rio de Janeiro, a mortalidade da doença se espalhou rapidamente em estados mais pobres.

Além das questões sociais e econômicas, a falta de uma política nacional de combate ao coronavírus foi outro fator que contribuiu para a disseminação do vírus.

Até este momento, o Brasil acumula mais de 355 mil óbitos por Covid-19, com uma média de 3 mil vítimas diárias.

FONTE: REVISTA FÓRUM
FOTO: Prefeitura de Manaus