Saúde mental: portfólio reúne práticas inspiradoras para profissionais da área

41

Plataforma é resultado de trabalho de pesquisadores que buscam trocar conhecimentos e qualificar estratégias

Os desafios dos profissionais que atuam na área de atenção psicossocial no sistema de saúde crescem a cada dia no país, em meio à complexidade dos males que acometem pacientes com problemas de saúde mental.

Pensando na conexão de saberes e práticas, um grupo de pesquisadores lançou, na última quinta-feira (25), um portfólio que reúne métodos considerados inspiradores para quem atua na área. O material é resultado de uma pesquisa cujo foco é auxiliar na adoção de estratégias colaborativas entre os trabalhadores do ramo.

A professora Nina Soalheiro, da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), coordenou o trabalho. Ela conta que os dados que compõem a plataforma partiram de uma busca sistematizada de resumos dos anais dos principais congressos brasileiros de saúde coletiva e saúde mental do país.

Também tiveram como fonte o banco de práticas do Ideia SUS, plataforma feita em parceria entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

“Numa etapa complementar, incluímos práticas de reconhecida importância pública, todas sistematizadas como práticas convidadas. Os autores desenvolvedores das práticas foram contatados e convidados a fazer o relato da sua experiência e fomos surpreendidos por um aceite geral entusiasmado”, conta Nina Soalheiro.

:: Leia também: Dor, frustração e luto: profissionais da psicologia relatam rotina na linha de frente ::

A pesquisadora destaca que os colaboradores compartilharam “um relato afetivo e pedagógico” a partir de fotos e vídeos encaminhados ao projeto para que as experiências fossem computadas, socializadas e passíveis de reprodução por outras equipes de profissionais nos diferentes contextos regionais do Brasil.

As ações foram organizadas, categorizadas e divididas por campos do saber, modalidades e público-alvo. Ao todo, a plataforma aborda cinco campos do saber: formação; promoção da saúde; saberes tradicionais e educação popular; atenção integral a usuários de álcool e drogas; direitos humanos, racismo e violências.

Já os campos de prática se dividem em sete segmentos: processos formativos; gestão e construção de redes; práticas grupais; atividades artístico-culturais; rodas comunitárias e ações políticas; práticas integrativas; práticas corporativas e atividades físicas.

Os temas são abordados por profissionais especializados que, em vídeo, apresentam inicialmente a experiência, compartilhando histórico, conceitos e relevância para o Sistema Único de Saúde (SUS).

“O portfólio de práticas toma forma nesse trabalho coletivo que nos revela uma visão interdisciplinar de saúde mental, dando visibilidade a experiências que superam uma perspectiva biomédica, intrapsíquica e reducionista de saúde mental”, salienta Nina Soalheiro, acrescentando que a ideia é de que o site seja explorado como ferramenta de pesquisa e referência de trabalho para profissionais do ramo.

A plataforma também oferece um roteiro de apoio e facilitação de processos formativos em saúde mental para a área de atenção básica para auxiliar as equipes que atuam na formulação de políticas de saúde, além de pesquisadores e trabalhadores do segmento.

Entidades da sociedade civil que lidam com a área em questão também podem ser beneficiadas pelo material. A ideia é que todo o conteúdo ofertado pelo site contribua para potencializar o repertório dos que se interessam pelos assuntos.

A coordenadora da pesquisa explica que a criação do roteiro surge a partir da identificação de uma carência de currículos que mirem perspectivas de atuação mais focadas no lado psicossocial dos trabalhos.

Ela conta que há uma hegemonia dos perfis biomédicos e a equipe de pesquisadores buscou organizar uma visão interdisciplinar da saúde mental e “dar visibilidade às práticas desenvolvidas por esses incansáveis trabalhadores do SUS que resistem à lógica produtivista muitas vezes imposta”.

“Por nosso lado, buscamos ir além das fronteiras do campo ‘psi’ e construir uma linguagem pra dialogar diretamente com a equipe básica e, assim, contribuir para uma saúde mental na atenção básica que seja acolhedora, integral e essencialmente territorial”, finaliza Nina Soalheiro.

O material completo organizado pelos pesquisadores está disponível no link: https://portfoliodepraticas.epsjv.fiocruz.br/.

FONTE: BRASIL DE FATO
FOTO: TV Brasil